CIVITATE - INCENTIVADORES

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

TERCEIRIZAÇÃO NO SETOR PÚBLICO: UM GRANDE MERCADO

"O setor público realiza permanentemente aquisições de bens e serviços com o objetivo de prover suas necessidades de custeio e investimento. Esse mercado, estimado em mais de R$ 260 bilhões por ano é conhecido como compras governamentais.

Assim, por exemplo, ao construir uma estrada ou adquirir alimentos para a merenda escolar, os governos federal, estadual e municipal compram bens e serviços que lhes garantem a prestação de seus serviços públicos, por meio de procedimento previsto em lei e onde devem participar empresas de todos os portes. A participação dos micro e pequenos empreendedores nesse mercado ainda é pequeno, embora venha apresentando crescimento após a aprovação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em dezembro de 2006.

A Lei Geral, em seu capítulo V, apresenta significativos avanços no sentido de oferecer maior competitividade às MPE que pretendam também vender ao setor público. Dentre esses dispositivos destacamos: a preferência de contratação se tornou critério de desempate nos lances de 5% (pregão eletrônico) a 10% superiores às de empresas de porte médio e grande, quando poderão ser cobertos pelas MPE; a comprovação da regularidade fiscal apenas no momento da contratação, caso as MPE sejam vencedoras nos certames; a possibilidade de certames exclusivos quando o valor seja de até R$ 80 mil; poder-se-ão estabelecer aos licitantes a subcontratação de MPE, de valor até 30% do total do objeto licitado; e estabelecer cotas exclusivas para as MPE em licitações para aquisição de bens e serviços de natureza divisível.

Além de proporcionar maior número de concorrentes, o que pode se traduzir em aquisições a preços mais baixos, os governos, especialmente os municipais, devem incentivar e viabilizar a participação das MPE locais em suas licitações, pois ensejará desenvolver políticas públicas voltadas para o desenvolvimento local, alavancar a economia da região, estimular empresas locais a absorverem maior contingente de mão-de-obra, melhorar a qualidade de seus produtos, reter na região parte dos tributos incidentes, além de fortalecer o mercado consumidor local.

Em que pese esses aspectos positivos, e decorridos três anos de sua aprovação, a maioria dos municípios brasileiros ainda não regulamentaram os dispositivos da Lei Geral, que garantem benefícios não só para as MPE, mas também para os estados, municípios e para o país. De outra parte, muitos empreendedores de micro e pequeno portes ainda não conhecem as novas regras das compras públicas ou não vislumbraram a excelente alternativa para seus negócios nesse mercado promissor.

Ressalta-se o notável esforço do Sistema Sebrae, do Governo Federal, de associações de classe e empresariais e de alguns governos estaduais em difundir os avanços da Lei Geral e incentivar a participação das MPE nas compras governamentais. Assim, cabe destacar o importante papel da imprensa na tarefa de sensibilizar os agentes públicos a fazer valer os dispositivos legais e incentivar a participação das MPE em seus processos licitatórios e de informar a essas empresas as novas regras e as possibilidades de negócios. É um processo em que todos ganham e o país agradece."

(Fonte: Hélio Campagnucio - O Globo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.