CIVITATE - INCENTIVADORES

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

TETRA CAMPEÕES MUNDIAIS, ROMÁRIO E BEBETO ATACAM AGORA NA POLÍTICA

"Os lances da Copa do Mundo de 1994 estão imortalizados com os toques que saíram dos pés de Bebeto e Romário. Mas a dupla de ataque tetracampeã mundial trocou os gramados - já estavam aposentados, é verdade - por outro campo: a política. Ao invés de desejar o título de um campeonato, o ex-camisa 11 da seleção brasileira, filiado ao PSB desde setembro de 2009, quer mesmo é uma vaga na Câmara Federal, trocando o futvôlei pelo ar seco do Planalto Central. Já Bebeto prefere ficar em terras fluminenses e tenta uma vaga na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) pelo PDT, partido ao qual é filiado há mais ou menos um ano e meio.

O GLOBO resolveu unir a dupla pela primeira vez desde o início da campanha eleitoral e ir às ruas para conferir a reação do público ao ver os ídolos do esporte agora como candidatos na política. Quando Romário chegou ao centro do Rio, o garoto-propaganda gritou aos quatro ventos com a ajuda de um megafone que o ex-jogador estava na área. "Venha tirar sua foto para colocar no orkut mais tarde", anunciou o cabo eleitoral. Com todos os olhos em sua direção, o craque distribuiu aos possíveis eleitores os tradicionais santinhos, acompanhados da frase "dá uma ajuda aí, parceiro".

Bebeto não ficou atrás e chamou os mais tímidos para uma foto. Em quase todas, fez o sinal de positivo com o polegar, gesto às vezes copiados pelos fãs. Em qualquer lugar em que o ex-camisa 7 da seleção brasileira estava, um pirulito - placa com o número do candidato -, era carregado por um cabo eleitoral.

Durante entrevista nos estúdios do GLOBO, a dupla garantiu que gosta da nova rotina e da marcação cerrada do público nas ruas. Bebeto, no entanto, brincou com o amigo e disse que para o "Baixo", como chama carinhosamente Romário, não deve ser moleza acordar às 5h para fazer campanha.

Romário e Bebeto dizem admirar o trabalho do presidente Lula

Fã do presidente Lula - por quem o ex-jogador diz ter admiração "pelo que fez e vem fazendo" -, Romário diz que foi parar na política porque, como deputado federal, pode fazer mais pelas crianças:

- Hoje, a política no Brasil mudou e, independente disso, eu me sinto na obrigação de fazer alguma coisa pelas crianças carentes. Acredito que, a partir do momento em que eu seja político, tenho mais facilidade de fazer isso.

Bebeto diz que a política estava longe de seus planos. No entanto, as conversas com o cunhado Luiz Fernando Petra, assassinado em setembro de 2002 quando era candidato a deputado federal, nunca o fizeram deixar o tema de lado. O ex-camisa 7 da seleção afirma que, para ser um bom político, se inspira em Petra e em outros gestores:

- Na verdade, eu nunca pensei em ser político. A gente vê tanta coisa errada aí, mas agora mudou. A gente não vai generalizar. Tem grandes políticos também, se eu for citar aqui, eu cito o Sérgio Cabral (governador do Rio), o Eduardo Paes (prefeito do Rio) e o nosso presidente Lula. Hoje, o Brasil é um país em desenvolvimento e nós temos que agradecer muito ao Lula por isso.

Esporte é a plataforma de campanha dos ex-jogadores

Quando a bola da vez são as propostas, a dupla levanta a bandeira do esporte:

- Na minha plataforma de trabalho, eu cito muito o projeto Rio Olímpico. São centros de treinamento com atletas de alto nível - diz Bebeto, afirmando que "mesmo sem estrutura, o Brasil consegue muita medalha".

- Depois de eleito, a primeira coisa que eu vou fazer é juntar um grupo competente que possa me apoiar e me orientar para que eu possa fazer aquilo que eu realmente pretendo fazer (...). Eu acredito que através do esporte, principalmente do futebol, a inclusão social dessas crianças (carentes) possa ser algo bem positivo para ajudá-las a ter uma qualidade de vida melhor - disse o Baixinho, afirmando que sua equipe vai mapear as áreas do Rio para fazer centros de tratamento para crianças especiais.

Agora cartola do America Football Club, Romário declarou que, a partir da próxima semana, a escolinha de futebol do clube, no estádio Giulite Coutinho e na Rua Campos Sales, na Tijuca, estará aberta a portadores da síndrome de down. O ex-craque tem uma filha que é portadora desta necessidade especial.

Romário declarou ter quase R$ 884 mil em bens e Bebeto, R$ 6,6 milhões

No momento do registro de candidatura, Romário declarou à Justiça Eleitoral ter R$ 883.632,96 em bens, incluindo imóveis e uma motocicleta BMW ano 2002 no valor de R$ 23 mil.

Os gastos com de campanha do ex-jogador, porém, podem chegar a R$ 800 mil, informação também prestada ao Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) no momento da apresentação do registro de candidatura.

Já Bebeto declarou à Justiça Eleitoral ter um patrimônio de R$ 6.674.244,71, incluindo automóveis, apartamentos e até tapetes persas avaliados em R$ 80 mil. Os gastos de campanha do ex-camisa 7 da seleção podem chegar a R$ 750 mil."

(Fonte: Juliana Castro - O Globo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.