CIVITATE - INCENTIVADORES

domingo, 27 de junho de 2010

CURSO DE "CAVEIRA" DO BOPE: ONDE OS FRACOS NÃO TEM VEZ

"Temido, respeitado, desejado, invejado. Muito se fala sobre o curso formador de "caveiras" do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Mas até hoje somente os 300 homens que venceram o árduo desafio sabem o que significa ostentar no uniforme preto a insígnia da "faca na caveira". No campo de treino, o cemitério simbólico eterniza o fim da jornada para centenas de inscritos desde 1978 que não conseguiram cumprir a missão. Pela primeira vez nos 32 anos da unidade, uma equipe de reportagem entrou no Curso de Operações Especiais, o COEsp, considerado o melhor do Brasil.

A 80 km do Rio, às margens da Represa de Ribeirão das Lajes, em Paracambi, 17 homens com rostos pintados e carregando 25 quilos de equipamentos nas costas se preparam para mais um dia de atividades. A visita de O DIA aconteceu no meio da chamada "Semana do Inferno", a fase inicial e mais dura do COEsp. Durante 15 dias, os candidatos a ingressar no Bope serão testados até seus limites físicos e psicológicos, para atingir o máximo de aproveitamento. Isso explica o reduzido número de "sobreviventes": dos 65 aprovados no rigoroso processo seletivo, que começou há apenas duas semanas, somente 17 ainda prosseguiam.

“O que faz a notoriedade não é a dificuldade do curso, mas o resultado. Treinamento duro para combate fácil é um dos lemas”, resume o capitão Marcelo Corbage, coordenador da atividade. No total, 194 policiais do Rio e de mais sete estados se inscreveram para a 18ª edição do curso, mas a maioria foi eliminada ainda na fase de exames médicos e psicológicos. O índice de aproveitamento é de, no máximo, 20% dos inscritos.

Para os "aspiras" do COEsp, o inferno é frio e úmido. O vento gelado que corta o vale faz os músculos tremerem debaixo da roupa permanentemente encharcada. A cada vacilo, os alunos têm que mergulhar na água gelada da represa. “Tá rindo da música que ele cantou?! Pra água!”, ordena um instrutor, que, benevolente, depois deixou o recruta "dar uma quarada".

No acampamento, sono, fadiga e tensão são sensações impostas pelas atividades, vencidas à custa de muita determinação. “A fase inicial é a quebra da resistência. Reproduzimos situações extremas que eles vão passar no futuro, para aprenderem a agir mesmo quando o nível de estresse estiver alto”, explica o capitão Leandro Maia, chefe de Planejamento e Instrução.

Rigor em todas as atividades

Após a escolha do líder daquele dia, a tarefa do grupo de 17 recrutas era descer uma ribanceira, guardar o equipamento e sentar sob a tenda que serve de sala de aula. Tudo em dois minutos, com os instrutores fazendo a contagem regressiva. No último segundo, a turma se reuniu, mas a missão não foi cumprida: os "aspiras" sentaram fora da ordem numérica.

A dureza do treinamento não é à toa. Formar-se "caveira" significa atingir o mais completo nível na área de segurança pública. No currículo, constam aulas de gerenciamento de situações de risco, mergulho, rapel, negociação de reféns, montanhismo, sobrevivência, técnicas especiais de tiro, explosivos, combate corpo a corpo e em áreas de alto risco, entre outras modalidades.

Cada curso é preparado com dois anos de antecedência. A estrutura conta com 80 PMs se revezando nas instruções.

Durante a visita, os alunos não puderam falar ou sequer olhar para a equipe de O DIA. No único momento em que foi autorizado a falar, o recruta 07 resumiu o sentimento de todos ali: “Espero que, um dia, vocês tenham orgulho de nós”.

Policiais veteranos viram "Avatares" da sobrevivência

Atravessando o rio em um barco, com o visual deslumbrante da Serra das Araras ao fundo, a equipe de O DIA chegou a um pequeno pedaço de terra no meio da represa. É na isolada "ilha de Lost’, apelido que ganhou em referência à série de TV americana, que os alunos vão aprender as técnicas de sobrevivência. Tanto no embarque quanto no desembarque, a repórter recebeu a ajuda gentil dos policiais instrutores. Já para o fotógrafo, carregado de equipamentos, sobrou a mesma dureza dispensada aos ‘aspiras’: “Fotógrafo, se vira!”.

As brincadeiras eram para ele sentir na pele a pressão do COEsp. Por pouco o "recruta-jornalista" não pede para sair: sobre um tronco de árvore, em busca da melhor imagem, quase desabou e teve que ouvir frases como: “Tira logo essa foto que tu é muito mole!”.

Depois de uma trilha pela mata, surge o acampamento montado pelos "Avatares do Bope". Como personagens de ficção científica, os oito instrutores — os mais antigos do batalhão — vivem na ilha durante dias, para ensinar aos alunos como sobreviver em situações extremas e se ambientar em locais conflagrados.

Pacientemente, os veteranos serram a madeira que vem de fora da ilha (a área é de preservação ambiental e não pode ser desmatada) e criam barracas. “Eles aprendem a viver em condições mínimas, fazer fogo, se alimentar”, diz o subtenente Sérgio Cosme, há 28 anos na tropa de elite.

Seriedade dá lugar à emoção

O semblante do relações-públicas do Bope, capitão Ivan Blaz, se transforma ao lembrar o dia de sua formatura. "Caveira" há cinco anos, ele se emociona ao falar sobre seus dias de recruta. “Para mim, foi o momento de maior emoção da minha vida. Chorei muito quando terminei. Na época, achava que era o máximo que poderia alcançar. Graças ao curso, vi que posso ir muito além”.

O maior incentivo para não desistir no primeiro obstáculo do curso está no alto escalão da PM. Além do comandante-geral, Mário Sérgio Duarte, outros dois oficiais da cúpula e três comandantes de unidades operacionais também venceram os desafios do COEsp.

Cerimônia do adeus dos "aspiras"

As três badaladas fúnebres no sino representam a "morte" do aluno. É o fim da linha no Curso de Operações Especiais para quem não aguentara o rigoroso treinamento ou não se sai bem nas avaliações. O ritual de quem deixa o acampamento é cercado de simbolismo, como um funeral de verdade. Em um pequeno cemitério, o ex-recruta deposita a lápide com o número de guerra. À frente dos túmulos, uma placa dispensa explicações: “Aqui jazem os fracos”.

Os "caveiras" gostam de espalhar a lenda de que as "almas" de quem partiu ficam vagando pelo vale de Ribeirão das Lajes, até que o policial passe no curso e a resgate. “O aluno passa por um ritual de desligamento não para ser humilhado, mas para carregar dentro dele a vontade de querer voltar e fazer o seu melhor”, explicou o capitão Marcelo Corbage. Ele preferiu não tocar o sino durante a reportagem: “A energia é muito forte”.

As sensações são ainda mais intensas para quem volta para casa sem a missão cumprida. Os ex-alunos passam por entrevista e acompanhamento psicológico oferecido pelo Bope, para diminuir a frustração. Para ingressar na tropa de elite, o policial passa pelo Curso de Ações Táticas (CAT) ou pelo COEsp, o único que garante o status de "caveira".

MUDANÇA DE FILOSOFIA

“A essência e o ideal do Bope estão sintetizados no curso. Carregar aquele distintivo não tem preço. A devoção é grande porque a gente acredita em um trabalho sério. Para chegar ao fim, o aluno não precisa de músculos, mas tem que vencer a batalha com a sua mente, suportar a pressão. Quando não conseguem, se sentem derrotados e até choram”, conta o comandante da unidade de elite, tenente-coronel Paulo Henrique Azevedo de Moraes.

Há 20 anos, o oficial conquistou a tão sonhada insígnia. De lá para cá, ele conta, muita coisa mudou no COEsp. “Tinha muitos reflexos da filosofia do Exército, de uma época linha-dura. Mudamos o planejamento, aumentamos o nível de conhecimento dos instrutores. Fomos buscar intercâmbio com outras forças para oferecer o que há de melhor. Temos que estar sempre um passo à frente para que o serviço prestado à população tenha qualidade máxima”, disse o oficial, que, na aula inaugural do 18º COEsp, comemorou as duas décadas de sua formação com almoço reunindo "caveiras" desde a primeira geração.

Antes do treinamento, recrutas passam por uma série de palestras para se ambientar ao que está por vir. Eles recebem informações sobre os exercícios e até como organizar as contas e a rotina da família durante os seis meses de ausência. “O sofrimento nos une. A gente não demonstra, mas torce muito por eles. Cada aluno que vence é uma vitória pessoal para nós”, emociona-se Paulo Henrique.

Dicionário "Caveirês"

No universo do COEsp, os policiais e instrutores do Batalhão de Operações Especiais cultivam uma linguagem própria para falar com os recrutas. O DIA preparou um miniglossário com algumas das gírias utilizadas pelos "caveiras":

Hop Hop: andar depressa, marchar.
Dar uma quarada: ficar sob o sol para se aquecer.
Fazer a xerifada: escolher outro líder para o grupo.
Fanfarronagem: brincadeira ou bagunça.
Estocolmizar: sofrer da Síndrome de Estocolmo (estado mental em que a vítima se identifica emocionalmente com o seu agressor), ou seja, quando o instrutor fica amigo do aluno.
"Carrega a sua cruz que a minha é de isopor e com rodinha": Frase que significa: "encare a dureza, porque eu já sobrevivi a isso"."

(Fonte: Vania Cunha - O Dia)

5 comentários:

  1. é isso ai faca na caveira amor eterno!

    ResponderExcluir
  2. Creio que a formação dos COMANDOS do EB e MUITO mais difícil.

    Cada turma de 100, normalmente se formam 5.

    ResponderExcluir
  3. Parabens pelo Bope!
    Deus abençoe todos!

    ResponderExcluir
  4. Regasso mesmo é o curso de salvamento terrestre dos Bombeiros.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.