CIVITATE - INCENTIVADORES

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

SUJANDO A FARDA

"Ministério Público Estadual e a Coordenadoria de Inteligência da SSPDS apoiam a Polícia Civil na apuração dos crimes."

"Uma investigação sigilosa que está em andamento há, pelo menos, dois meses, revela a existência de um grupo de policiais militares da ativa envolvidos com assaltantes e ladrões de carros. Pelo menos dois PMs já estão presos e outros, entre eles um oficial, são investigados.

O trabalho de investigação está sendo feito por uma força-tarefa especial da Polícia Civil com o acompanhamento do Ministério Público (MP) e o apoio logístico da Coordenadoria Integrada de Inteligência (Coin), da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

Na semana passada, o Ministério Público acenou com a possibilidade de vir a pedir, nos próximos dias, a decretação da prisão preventiva de mais dois PMs, entre eles, o oficial (tenente) investigado. Os nomes estão sendo mantidos em sigilo. Mas, o Diário do Nordeste conseguiu, nos últimos dias, obter importantes, e exclusivas, informações sobre o caso.

A investigação revela que policiais militares estariam dando suporte logístico e facilitando as ações - e fugas - de bandidos que vinham agindo na Grande Fortaleza, com mais intensidade na área da Grande Messejana e na C idade dos Funcionários.

Interceptações telefônicas, autorizadas pela Justiça e operacionalizadas pelo sistema "Guardião" da Coin, permitiram chegar aos envolvidos. O "grampo" descobriu, por exemplo, a participação de um sargento e um soldado, ambos destacados na 2ª Companhia do 5º BPM (Messejana), com a quadrilha. No último dia 7, agentes da Coin, com o apoio do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), do Batalhão de Polícia de Choque (BpChoque), prenderam o sargento PM Francisco das Chagas de Freitas Silva Júnior (conhecido como sargento Freitas) e o soldado Francisco Alderi Alves Rodrigues (SD Rodrigues), juntamente com os assaltantes Antônio Fernando Santana e Cristiano de Souza Tavares.

Os quatro homens foram capturados na localidade de Jenipapeiro, em Aquiraz (Região Metropolitana de Fortaleza), logo após os dois últimos terem tentado furar um cerco policial com a ajuda dos PMs. Horas antes, eles havia praticado uma sequência de assaltos e estavam de posse de uma caminhonete L-200, roubada na Cidade dos Funcionários.

Foi através do "grampo" que a Coin chegou aos dois militares. Depois de escapar do cerco em Fortaleza, os assaltantes seguiram para Aquiraz e, de lá (de dentro de um matagal próximo à Lagoa do Catu), eles ligaram para os PMs pedindo que os mesmos fossem buscá-los.

A Polícia cercou o local e prendeu os quatro. Os militares, assim como os acusados, portavam armas de fogo.

A situação do sargento Freitas foi mais grave, pois mesmo estando de folga e agindo em parceria com assaltantes, portava uma arma (revólver calibre 38) pertencente à corporação.

O Comando-Geral da instituição determinou a abertura de um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar o caso. O sargento e o soldado foram transferidos para o Presídio Militar, enquanto os dois assaltantes já estão recolhidos em uma das três Casas de Privação Provisória da Liberdade (CPPL).

Soldado

No andamento da apuração sigilosa sobre a participação de PMs na quadrilha, outro fato veio se somar ao trabalho do MP; a prisão de mais um componente da corporação quando também praticava assaltos em Fortaleza.

O soldado PM Fábio Cristiano de Medeiros, destacado no Batalhão de Policiamento Turístico (PMTur), foi preso depois de perseguido por colegas de farda, logo após praticar o assalto contra um mototaxista.

Na fuga, o militar acabou se envolvendo em um acidente na BR-116. Caiu da moto roubada. Quando os outros PMs que o perseguiam se aproximaram, o assaltante se identificou como policial militar. Socorrido, foi levado para o IJF-Centro e também deverá ser expulso das fileiras da PM.

MESSEJANA

Sequência de assaltos foi o estopim para a apuração

A investigação em torno da quadrilha que teria a participação de policiais militares foi iniciada diante do registro de vários casos de assaltos na região que compreende os bairros de Cajazeiras, Parque Manibura, Cidade dos Funcionários e Messejana. Os carros das vítimas eram sempre levados em direção à CE-040 e chegavam a cidades da Região Metropolitana de Fortaleza, como Aquiraz, Eusébio e Itaitinga. Um fato chamou a atenção das autoridades. Mesmo com grande aparato de viaturas mobilizadas, os ladrões conseguiam furar o cerco.

Na mesma linha de investigação, as autoridades descobrindo indícios de cumplicidade de policiais militares com os criminosos, fato que gerou uma investigação mais profunda, determinada pela Secretaria da Segurança Pública, que acionou seu setor de inteligência. O Ministério Público acompanha o trabalho dos investigadores.

Militares

Os nomes de dois sargentos, um soldado e um oficial passaram a figurar nas investigações. O Diário obteve ainda a informação de que o tenente investigado já teve seu nome citado em outra apuração, com o objetivo de descobrir o "desaparecimento" de um lote de armas compradas pelo governo do estado, no governo anterior, e que, misteriosamente, teria "sumido" no setor de cargas do Aeroporto Internacional Pinto Martins.

Os nomes estão sendo mantidos em, segredo pelas autoridades que apuram o fato."

(Fonte: Portal do SVM - Fernando Ribeiro, Diário do Nordeste)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.