CIVITATE - INCENTIVADORES

segunda-feira, 24 de maio de 2010

PRESENÇA DE GUERRILHEIROS DAS FARC NO BRASIL É CADA VEZ MAIS FREQUENTE


"Envolvimento da guerrilha no tráfico de drogas na região amazônica preocupa autoridades de segurança."

"Depois da prisão, no início do mês, de José Samuel Sanchez, as autoridades brasileiras não têm mais dúvidas de que a presença de integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no Brasil é uma realidade. Apesar de setores de segurança do país acreditarem que o número de pessoas relacionadas à guerrilha seja pequeno, a preocupação está no fato de que a maioria delas está ligada ao tráfico de drogas. Com Sanchez, a Polícia Federal apreendeu 45kg de cocaína, mas o colombiano tinha estrutura para fazer grandes carregamentos de até 300kg de pó.

O traficante foi preso durante a Operação Rota Solimões, desencadeada pela Polícia Federal ao longo do rio do mesmo nome, no Amazonas. Sanchez tinha uma estrutura que poderia se comunicar com as Farc a qualquer momento, a partir da cidade de Tefé. Além disso, apesar de não ser um elemento da cúpula da organização, era o responsável pela logística da facção, e comandava vários elementos do grupo no Brasil. Quando foi capturado pela Polícia Federal, o traficante estava acompanhado de outras sete pessoas, sendo quatro brasileiros e três colombianos.

Para as autoridades brasileiras, a prisão de um integrante das Farc, ligado ao tráfico de drogas, não foi uma novidade. “Ele não foi o primeiro, existem outros, não temos dúvida disso”, afirma o delegado Sérgio Fontes, superintendente da PF no Amazonas, e um dos especialistas em tráfico de drogas na região. O mais surpreendente, segundo investigadores da Polícia Federal, é que a organização guerrilheira não estaria ingressando cocaína apenas pelo estado do Amazonas, mas também por outros, como Roraima e Acre, utilizando-se de mulas ou de outras facções, como o grupo terrorista peruano, Sendero Luminoso, que ressurgiu após de praticamente dizimado há alguns anos.

Estrutura

Sérgio Fontes ressalta que Sanchez não dispunha de bases que poderiam dar suporte às Farc no Brasil, mas admite que ele mantinha equipamentos de comunicação, com torres que permitiriam fazer contatos entre Tefé, Manaus — onde ele morava — e a selva colombiana, ocupada pela guerrilha, principalmente nas imediações do Rio Caquetá, primeira frente da organização. No Brasil, o grupo age por meio de intermediários, como Sanchez. “Há os prepostos na região”, afirma o delegado.

O tráfico da cocaína vinda da região de Barrancominas, controlada pelas Farc, não é feito apenas pelos meios convencionais, como as mulas e grandes carregamentos por via aérea ou marítima. Com a prisão de Sanchez, a Polícia Federal descobriu que os negócios são também dissimulados. O traficante mantinha um frigorífico de importação e exportação de pescado para fazer o transporte da droga. Apesar de apreender apenas 46kg, a PF tinha informações de que uma quantidade entre 200kg e 300kg de pó estariam a caminho do Brasil, e tinha como destino final os Estados Unidos e a Europa.

As investigações da Polícia Federal em torno de Sanchez confirmaram que a presença das Farc no Brasil é antiga. “A atuação, com certeza, existe desde a década passada”, afirma Fontes. O traficante, por exemplo, estava há pelo menos quatro anos em território brasileiro. Segundo um integrante da área militar, a fronteira aberta entre os dois países não permite uma fiscalização mais eficiente. Mesmo assim, o Exército está reforçando seus contingentes na divisa com a Colômbia, principalmente na região conhecida como Cabeça do Cachorro, em São Gabriel da Cachoeira.

O governo colombiano já enviou documentos à Polícia Federal brasileira pedindo informações sobre a prisão de Sanchez e de outras sete pessoas. Esse é o passo inicial para o processo de extradição. Se isso acontecer, será o terceiro caso do tipo envolvendo traficantes colombianos presos no país. Em 2008, foi preso e extraditado para os Estados Unidos, Juan Carlos Ramirez Abadia. Este ano, foi detido Nestor Caro Chaparro. Os dois são considerados líderes de cartéis em seus países e estavam sendo procurados pelas autoridades norte-americanas."

(Fonte: Edson Luiz - Correio Braziliense)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.