CIVITATE - INCENTIVADORES

quarta-feira, 2 de março de 2011

ÚLTIMO SOLDADO DA 1ª GRANDE GUERRA MUNDIAL MORRE AOS 110 ANOS


"Frank Buckles, último soldado da 1ª Guerra, morre aos 110 anos."

Frank Buckles, que dirigiu uma ambulância do Exército na França em 1918 e passou a simbolizar uma geração de jovens militares americanos como o último dos soldados da Primeira Guerra Mundial, morreu no domingo (27/02) em sua casa em Charles Town, West Virgínia, EUA, aos 110 anos. Sua morte foi anunciada em seu site.

Ele era apenas um cabo e nunca chegou perto das trincheiras da Frente Ocidental. Mesmo assim, Buckles se tornou uma espécie de tesouro nacional como o último elo vivo com os 2 milhões de homens que serviram nas Forças Expedicionárias Americanas na França na "guerra para terminar todas as guerras".

Em uma declaração, o presidente americano, Barack Obama, disse que Buckles viveu "uma vida notável, que nos lembra do verdadeiro sentido de patriotismo e de nossas obrigações para com os nossos compatriotas americanos".

Frágil, encurvado e com dificuldade de audição, mas uma mente afiada, Buckles foi nomeado Grande Marechal na Parada do Memorial Day, em Washington, em 2007. Ele foi um dos convidados no Cemitério Nacional de Arlington no Dia dos Veteranos de 2007 para uma cerimônia de colocação de coroas de flores no túmulo do soldado desconhecido. Ele foi homenageado pelo secretário da Defesa americano, Robert M. Gates, no Pentágono e se reuniu com o então presidente George W. Bush na Casa Branca, em março de 2008.

Senadores americanos foram seus anfitriões no Capitólio em junho de 2008, para a comemoração do 90º aniversário do armistício da Primeira Guerra Mundial. E ele apareceu diante de uma subcomissão do Senado em dezembro de 2009 para apoiar a legislação batizada em sua homenagem para conceder status federal a um memorial da Primeira Guerra Mundial construído no Mall de Washington em 1930.

O Departmento de Assuntos dos Veteranos afirmou que ele será enterrado no Cemitério Nacional de Arlington, com todas as honras militares.

Testemunha

Procurado para entrevistas em seus últimos anos, Buckles contou ter testemunhado uma cerimônia envolvendo veteranos britânicos da Guerra da Crimeia, travada em 1850, quando estava estacionado na Inglaterra antes de ir para França. Ele lembrou de conversar com o general John J. Pershing, comandante das tropas dos Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial, em um evento em Oklahoma logo após o fim da guerra.

E ele mostrou com orgulho uma fotografia em sépia de si mesmo em seu uniforme de soldado quando foi entrevistado pelo jornal USA Today em 2007. "Eu era um soldado mal-humorado. Todo taciturno”, disse.

Frank Buckles Woodruff nasceu no dia 1º de fevereiro de 1901 em uma fazenda perto de Bethany, Missouri. Ele morava em Oakwood, Oklahoma, quando os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial, e tentou se alistar no Corpo de Fuzileiros Navais aos 16 anos, inspirado pelos cartazes de recrutamento.

Os fuzileiros navais o recusaram por estar abaixo do peso e da idade necessários. A Marinha também não o quis, dizendo que ele tinha pés chatos. Mas o Exército o aceitou em agosto de 1917 depois que ele mentiu sobre sua idade e se ofereceu para ser motorista de ambulância, ao ouvir que era o caminho mais rápido para o serviço na França.

Ele viajou para a Inglaterra em dezembro de 1917 no Carpathia, navio que ajudou a salvar sobreviventes do naufrágio do Titanic em 1912. Mais tarde, serviu em várias localidades na França, incluindo Bordeaux, e dirigiu carros militares e ambulâncias. Ele ficou comovido com o impacto da guerra sobre o povo francês. "As crianças francesas passavam fome", disse Buckles em uma entrevista em 2001 para o Projeto História dos Veteranos da Biblioteca do Congresso americano. "Nós alimentávamos as crianças. Para mim, essa era algo muito triste de se ver”.

Buckles escoltou prisioneiros de guerra alemães de volta à sua terra natal após o armistício e, em seguida, retornou aos Estados Unidos onde mais tarde trabalhou no escritório de Toronto da companhia de navegação White Star. Ele viajou muito, trabalhando para a companhia de navegação, e fazia negócios em Manila, Filipinas, quando os japoneses ocuparam a ilha após o ataque a Pearl Harbor, em dezembro de 1941. Foi preso pelos japoneses e perdeu mais de 50 kg antes de ser libertado por uma unidade dos Estados Unidos em fevereiro de 1945.

Depois de se aposentar do trabalho, em meados da década de 50, Buckles cuidou de sua própria fazenda de gado em Charles Town, e ainda montava em um trator para cuidar do terreno quando tinha 106 anos de idade.

Em abril de 2007, Buckles foi identificado como um dos quatro sobreviventes conhecidos entre os mais de 4,7 milhões de americanos que haviam servido nas forças armadas dos países aliados de 6 de abril de 1917, quando os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial, a 11 de novembro de 1918, data do armistício.

Dois dos quatro – J. Russell Coffey e Harry Landis – haviam servido no Exército dos Estados Unidos. Coffey morreu em dezembro de 2007, aos 109 anos; Landis, em fevereiro de 2008, aos 108. John Babcock, que nasceu no Canadá, serviu no Exército canadense na Grã-Bretanha na Primeira Guerra Mundial e tinha dupla cidadania americana e canadense, morreu em Spokane, Washington, em fevereiro de 2010, aos 109 anos.

Os últimos veteranos conhecidos dos exércitos francês e alemão na Primeira Guerra Mundial - Lazare Ponticelli e Erich Kaestner, respectivamente - morreram com alguns meses de intervalo em 2008. Harry Patch, o último soldado britânico, morreu em 2009. Claude Choules, que serviu na Marinha Real Britânica e agora vive na Austrália, e Florence Green, membro do grupo Mulheres da Força Aérea Real Britânica que hoje vive na Inglaterra, são as duas únicas pessoas ainda vivas que serviram durante a guerra.

Buckles deixa sua filha Susannah Flanagan. Sua esposa Audrey morreu em 1999. Mais de oito décadas após o fim da Primeira Guerra Mundial, Buckles tinha memórias de seus camaradas franceses. E ele pensava no destino que os aguardava.

"Eu tenho uma memória viva dos soldados franceses, de estar em uma pequena vila e ir a uma loja de vinhos local à noite", disse ele a um entrevistador da Biblioteca do Congresso. "Eles tinham muito, muito pouco dinheiro. Mas tomavam vinho e cantavam a Marselhesa com entusiasmo. E eu perguntei: 'Qual é a ocasião?’ E eles disseram que estavam voltando para o fronte. Você consegue imaginar isso?”

(Fonte: Richard Goldstein - The New York Times)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.